A Electronic Arts (EA), uma das maiores indústrias de videojogos do mundo, está a ser vítima de um ciberataque. Os hackers dizem estar aptos a explorar todos os serviços da EA e sabe-se já que roubaram o código-fonte utilizado para muitos jogos da empresa.

De acordo com as informações colocadas a circular na internet, os hackers conseguiram roubar o código-fonte do FIFA 21 e ainda do Frostbite Engine, calculando-se que no total tenham sido surripiados dos servidores maisde 780 GB de dados.

Em declarações ao site Vice, a Electronic Arts adiantou que se encontra a investigar o sucedido. Aproveitando a comunicação, a criadora de jogos decidiu tranquilizar os seus jogadores ao afirmar que os seus dados pessoais estavam seguros.

Estamos a investigar um incidente recente de invasão na nossa rede, onde uma quantidade limitada de código-fonte de jogo e ferramentas relacionadas foram roubadas.

Os dados dos jogadores não foram acedidos e não temos motivos para acreditar que haja qualquer risco para a privacidade dos jogadores. Após o incidente, efetuámos melhorias na segurança e não esperamos nenhum impacto nos nossos jogos ou negócios.

Estamos a trabalhar ativamente com as autoridades policiais e outros especialistas como parte da investigação criminal em andamento.

Apesar destas revelações, não é conhecido o que pode representar e os seus impactos, para a empresa.

Eusébio Nieva, Diretor Técnico da Check Point Software para Espanha e Portugal, deixa as suas considerações sobre o ciberataque, alertando para as proporções que este pode tomar, caso se confirme que as informações roubadas estão a ser vendidas na Dark Net.

“Sempre que o código-fonte é extraído o cenário não é bom. Com tanta informação preciosa em mãos, os hackers podem facilmente aceder ao trabalho interno de um jogo, explorar falhas de segurança e até reverter o propósito do jogo para fins maliciosos. Estas atividades podem escalar para maiores proporções se os hackers venderem o que roubaram na dark net. Há relatórios que noticiam que o código-fonte da EA Games já está a ser anunciado na dark net. Não é surpreendente, a monetização de recursos roubados por hackers é prática comum. E vender informação deste tipo é garante de muito dinheiro”, comentou Eusébio Nieva.

Artigo cedido por wintech.pt